Seu racismo o deixa doente


O Sen. Barak Obama fez um pronunciamento sobre o racismo, seus efeitos e defeitos nos homens e nos Estados Unidos. Dean Ornish M.D. comenta a speech em The Toxic Power of Racism e me faz recordar de minha infância quando eu me incomodava por não ter amigos negros. Em minha rua só moravam brancos e em minha sala de aula não haviam crianças que eu pudesse considerar negras. Em minha visão, aqueles que estudavam comigo eram no máximo “mais escurinhos”.

Cresci e esqueci estas preocupações, mas há algum tempo revisitei minhas memórias em busca de respostas e me encontrei com estas. Ainda me incomo quando ouço piadas com tom pejorativo e raramente vejo a graça. Acontece que mesmo que o piadista não tenha a intenção, está alimentando o desafeto entre as raças. Obana trabalhou o assunto do sistema de saúde que o governo oferece aos desprivilegiados, como os hipanos, negros e brancos de menor poder aquisitivo que não têm a condição de contratar serviços de saúde.

Ornish pegou o fio e seguiu pela linha do ponto de vista médico, temperado com uma visão espiritualista fina. “Enquanto a experiência de racismo, como qualquer outro stress crônico, é subjetiva, os efeitos danosos podem ser bem reais. Os efeitos podem ser diretos (aumento da pressão arterial, diminuição do sistema imunológico) e indireto (mais cigarros, mais bebida alcólica e alimentação excessiva, menos exercício e suporte social).”

Mas o que realmente me chamou a atenção foram as observações a respeito do perdão que Ornish fez. Diz ele que a saúde depende essencialmente de se perdoar e deixar o passado no passado. “Quando estamos bravos com alguém, damos poder à pessoa que estamos odiando naquele momento para nos estressar ou até mesmo nos adoecer. Nada inteligente. Visto desta perspectiva, a coisa mais “egoísta” que podemos fazer é nos tornarmos mais compreensivos, tolerantes e capazes de perdoar” diz ele. Ainda mais fino, ele completa que “Quando perdoamos alguém, isto não desculpa suas ações; isto nos liberta de nosso próprio estress crônico e sofriemento, então é no nosso próprio auto-interesse.” Maravilha! Ele não descobriu a roda, mas colocou a borracha na roda da carroça americana.

Obama explicou que o racismo não é privilégio de brancos ou negros e avançou na oratória afirmando que compreende ambos, mas não deu razão a nenhum. Exemplificou contando a história de sua avó que sentia medo quando um homem negro passava por ela em uma calçada. Tudo bem, fazia parte da cultura dela, diz ele compreensivamente, mas sem dar razão à vó.

Foi neste gancho que Ornish disparou contra o racismo e o ódio que ele instala no coração dos incautos. O que falta ao homem perceber é que esta questão toda de cor é exatamente isso: cor. Tenho amigos pretos e prefiro chamá-los assim, porque a única coisa diferente que vejo é a cor. Não vejo raça, mesmo porque eu sou, como li há tempos em um artigo da Time referindo-se à raça dos brasileiros, mongrel – basicamente um vira-lata. Negra é a raça assim como branca, amarela e vermelha. Só que negro não é cor e o que vejo é cor preta, para meus olhos, transparente e vejo o homem e a mulher que estão ali, como vejo o branquelo, o amarelo e o vermelho.

Enaltecimento da raça foi no passado e ainda tem sido um dos grandes erros do homem, que, como Hitler, Dada, Pol Pot e os Hutu buscaram limpeza étnica. Há que se entender que raça é somente uma imposição geográfica e nada além disso. Quando pudermos enxergar além da cor, teremos avançado um passo. Todos os genocídios deveriam ser suficientes para que aprendêssemos a lição. Mas como diz o poeta, “a lição sabemos de cor, só nos resta aprender”.

Anúncios
Etiquetado , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: